Já crescidinho, coçava-me todo, quando vinham com aquelas cantilenas: “O Luís, o Luís partiu o nariz…” ou a mais recorrente “O Luís, o Luís já foi a Paris”. Essa sim, coçava-me até ficar em ferida. Indignava-me a valer. Primeiro, porque nunca achei piada à rima e segundo, porque não era verdade: “…eu nunca fui a Paris, pá!” Por isso e por ser um dos países mais visitados do mundo, o meu desejo em conhecer França, foi sempre um misto de resolver o trauma de infância e deixar-me apaixonar pelo estilo de vida “très chique”, que os filmes me faziam sonhar.

Ou falas francês ou ficas apanhar bonés.

A minha primeira barreira foi o idioma. Saber português já é uma ajuda mas não chega para se falar. Especialmente porque a minha suspeita de que os franceses não ligam nenhuma ao inglês, tornou-se uma realidade assim que meti, ou melhor, tentei as primeiras conversas com os locais. Em La Rochelle, sul de França foi o primeiro teste. Enquanto desenhava, uma senhora na casa dos 40 anos abordou-me, muito amavelmente, em francês. Digamos que estava há meia dúzia de dias em França e ainda não tinha aprendido nada para além das típicas palavras turísticas. Mas lá nos entendemos. Feliz de mim, que assim que abro o caderno é como se tivesse um tradutor por perto, que lhes vai contando a minha história.

Porém, a cabeça deslocada no espaço mas a viver o momento, revela-me a semelhança com Portugal, na maioria dos costumes e estilos de vida. Portugal e França estão mais perto do que a simples barreira linguistica. Com isto, a minha busca em saber porque razão os franceses não falam inglês tornou-se como uma missão por esclarecer. Matthieu é um jovem francês que conheci em Dijon, que fala fluentemente inglês e claro, não perdi a chance de lhe perguntar o que pensava do enigma linguistico: “Eu sou francês de gema, mas tenho que admitir que os franceses são calões para aprender idiomas e não prevejo grandes evoluções para mudar o sentido.” Mas ainda não estava satisfeito, a que se deve tamanha falta de vontade em conseguir comunicar. “Se analisarmos bem, os turistas que aqui chegam, já aparecem aterrorizados com a ideia de que vão ser obrigados a falar francês, que acabam por facilitar a vida a quem cá vive e não nos esforçamos para aprender outros idiomas.” Verdade, acrescentando o facto de França receber milhões de turistas por ano, para consumir a arte e encanto europeu, que deixarmos de falar francês seria como roubar uma parte da sua identidade. Mas o meu cepticismo, ainda me fazia ter mais algumas questões.

Em conversa com Alexandra, uma venezuelana de origens francesas e a viver em Paris faz anos, pergunto a que se deve a arrogância parisiense? “A maioria dos habitantes de Paris não são efectivamente franceses e grande parte deles sabe que não lhe faltará turismo. Dão-se ao luxo de olhar por cima do ombro. Muitas das pessoas que aqui vivem estão cansadas do exagero consumista.” Eu próprio fui vitima desse mau humor e desrespeito. “O que tens que fazer é gritar por cima e seres mais arrogante com quem te trata dessa forma. Depois disso, fica claro que não estás para brincadeiras e tratam-te bem. Paris é uma cidade que ninguém se interessa por ninguém a menos que tenhas dinheiro.” Será realmente essa a verdadeira razão da pouca hospitalidade. A bom da verdade, apesar de Paris ser uma autentica máquina de lavar humana, procurar ajuda e conversar com quem habita as ruas é a melhor solução para levar uma ideia diferente, aprender francês e tirar o veneno injectado pelos carrancudos.

Passadas várias semanas em viagem por terras napoleónicas, deparei-me com o fenómeno “já consigo comunicar em francês!”. A segunda etapa de um sonho pessoal estava finalmente acontecer. Aprender na necessidade da viagem. Existirá melhor satisfação de ficarmos mais ricos sem aparente esforço. Agora, que já passei a barreira do sorriso ignorante perante o francês, posso afirmar que escutar esta língua, que parece sair de um conjunto de porcelana de casa dos meus bisavós, vestida por um rosto feminino de estilo vintage, é como termos o Louvre à nossa frente.


Luís Simões

Portuguese traveler and illustrator on a world sketching tour since 2012. Leaving comfort to enjoy a new life with the company of backpacks and sketchbooks, made me build this website and share it with all of you.

All author posts
Support the project

Help us to continue to share our experiences

We believe that sharing our experience is a good way to inspire and bring awareness to a meaningful life. While traveling we like to document and share our sketches, digital books, and short movies with everyone. We want to continue sharing it so we thought of creating some ways for you to grant us essential support.

Related Posts

Privacy Preference Center