Italia

Written by Luis on . Posted in Europe Trip, Sketches, WST

Genoa – the first shocks

Genoa has as many motorbikes as Holland as bycicles. The difference is in the civility and organization, obviously lacking in the well known and chaotic Italian traffic.
Cars wander through the roads, regardless of limits of rules. They pop up from where you least expect, and those breaks might well have seen better days, seeing how they only stop in the very last second.
It’s every man for himself, constantly risking having an accident. Trying to come out of a rush hour alive is like a polluted adventure.
Genoa is a city built down a hill, full of curves, somewhat dirty, and with rather picturesque spots.
When I got here, the sun made the walls look yellow and warm, bringing out shadows.
Women wore flashy colours on their lips, often a fatal red with matching nails.
This reminded me of Northern Portugal. Could this be the start of my falling in love with the Italian charms?
I don’t know yet, but it’s easy to get attracted by the elegant seduction of these “ragazzi”.
Prejudice aside, the episodes I’d seen of Italian tourists who could only communicate in their own language spoke for themselves.
I was arriving from France, with the idea that I’d also have trouble getting by with English in Italy. But I was surprised. Of course not everyone speaks English, and many keep that lovely and strong Italian accent “u go ine fronte, den u turne to de rite …”.
Besides, speaking Portuguese gets me rid of half of the effort I’d need to make to understand them.
All this made me think that while France and Spain are two of the most visited European countries, they also are two of the countries where it’s more difficult to get by with English, with France taking the prize.

 

Pisa – the tourist

In Pisa everything gravitates around the Piazza del Miracoli, considered to be one of the most romantic.
If we define romanticism by the amount of picture taken, then that place will certainly be on top of any list.
It’s all between the pigeons and the tourists who are always in the middle of taking a picture.
It’s a mystery to be before the most crooked tower in the world, and to be able to draw it as it’s lit by a magnificent sun-set.
This happened to me. I fell in love with Pisa right from when I saw the tower until I ended my drawing.
But the most common is to take photographs with different perspectives and scales.
Although I’m aware that I’ll always be just another tourist, seeing as I’m just passing through, my way of seeing and picking the places I pass through doesn’t change.
It’s not because I don’t take the traditional photographs, or because I don’t visit the emblematic sights, but rather because I have another kind of rush.
This somewhat Brazilian way of life, called backpacking, means it takes time until we ourselves see that we are a kind of tourists, even if we did not realize it.
Then what’s the difference between a backpacker and a tourist?
I’d say the difference is in the spontaneous and relaxed way of travelling.
Having everything planned, with set times to eat, knowing where to sleep, following routes defined by guidebooks and always having money are the first things that differ from the daily life of anyone carrying a backpack.
Getting into the locals’ life, getting to know a culture and learning its expressions is the second thing that differs, setting backpacking away from tourism.
And last, it’s getting lost.
To me, this is the best way for a backpacker to enjoy time, which can be used to do whatever we please.
If we think that neither of these ways of travelling fits in with the image of a common tourist, it may seem like this is an easy explanation.
However, moving on, thinking of different kinds of backpackers, we see that there are those who prefer museums, those who like the nightlife and the leisure, those who like hiking and going on adventures, those who like to write and photograph, and then there’s those like me. I chose to draw my travels.
Each backpacker picks the type of life they like, and that’s why it’s so much fun to meet another traveller and hear about what they do.
After a year, although I enjoyed spending time sharing my travel stories with others, it was becoming impossible.
My interest could be found in every word I added to the narrative. This made me think about what kind of backpacker I really am.
In this search, I did not expect to find a definition to label my life or my attitude towards it, but rather something that could efficiently explain what makes me keep on living like this.
So as to find and list the common points, I decided to think about the talks I had with friends I met along my way.

- Everyone is afraid of something, and everyone starts out feeling lonely.
- Everyone wants to feel free to discover other cultures and having different experiences.
- Everyone falls in love while travelling, but most relationships end up not working.
- Everyone wants to continue travelling after they stop for a while to recover after a first trip around the world.
- I still haven’t met anyone who’d given up in the middle of their trip.
- Everyone had health problems, but nobody had their life in danger, even if could seem that way when they tell stories about it.
- Everyone likes sharing experiences and telling stories about the places they’ve passed through.
- Everyone thinks this was the best decision they made in their lives.
- Nobody talks about bad moments. Instead they say it was all about learning, and in some cases they might say it was about clumsiness too.
- Everyone has been to or passed through places where I’ve also been or places I plan to pass through.
- Everyone had little money, and so they had to change plans and make some sacrifices.
- Everyone rethought their excess luggage after the first few weeks travelling.
- Everyone gets easily tired of monotony and routine.

I found that all backpackers suffer from the same symptoms, and that calling myself a backpacker made my story easier to tell.
However, sketching was the only point that didn’t link me to anything at all. So, to abbreviate things, I started calling myself a backpacker who likes sketching some tourist stuff.
This way I confirm what everyone usually suspects.
“I knew you couldn’t be from around here. With that backpack you had to be a tourist! The only weird thing is wasting time sitting in a corner, sketching like that. Have you ever tried using a camera?”

 

Florence – first Italian contact

“Italy, especially Florence, will be one more heart ache”.
The thought came to me today as soon as I departed from one of most fascinating cities in Europe.
But let’s take it from the top so it can make sense. I had high expectations before arriving. Everyone told me it was a city I couldn’t miss. In a matter of minutes I could confirm that.
On the first day I met Lucia, the first Italian urban sketcher. We met at Ponte della Vittoria, and kept walking along the river until we reached Ponte Vecchio (old bridge). We walked though all the corners of the city sketched and ended up in a typical pizzeria where there were only three kinds of pizza to choose from.
Italians say Margarita is the best pizza to try, as we can always know if it’s good or not. The secret is in the dough, which should just be simple.
In Portugal we learn to eat pizza with a mash of ingredients and different kinds of dough, so having only three options was a relief to me.
I ate a whole pizza, and if there’d been more I’d have eaten more too.
Perhaps I was hungry, or maybe it really was that good. One thing is for sure – independently of how much pizza gets eaten the world over, the real magic starts with the satisfaction of hearing them speak Italian.
We pick up a slice, fold it in our hand, and carefully take a bite before it falls on the plate.
Then of course, we get the classic piece of pizza stuck on to our cheek. This happens to everyone, but it’s no shame, because we’re in Italy!
So started the competition of the best pizza in Italy, and this one made it right to the top.

Giorgio is the second Italian urban sketcher I got to meet in Florence. On my second day he invited me for dinner at his house, so that I could get to know the real feeling of Tuscany.
A group of 7 Italian girls and 3 Italian boys treated me like one of their “famiglia”. Giorgio and I had just come to join the party and have dinner.
I wasn’t hungry because we’d already had some beers and aperitivo in a bar by the Piazza del Santo Spirito.
I felt like sketching as soon as I saw the place. I was attracted by the peace, the people and the light of that place guidebooks refer to as “alternative”, and that I’d call “independent”.
“Every morning there’s a market here, and it’s very cool to sketch”, said Giorgio.
But let’s get back to the best invention ever – the aperetivo!
They’re a great find, especially for anyone travelling on a budget, like me. You order a drink and you immediately have to pay something between 4 and 5 Euros. “God damn it!”
Take it easy! There’s a buffet right there. Bread, olives, meat, pasta, soup… you can make your dinner out of it, or at least get a bite, which is what we did.
“Don’t eat too much, we’ll have dinner at my house!” Giorgio warned me.
A cheese board, half a dozen of wine bottles, unsalted bread – (a local staple), pasta and cake. And to end that evening I swallowed another pizza after 1am.
I wonder if it will always be this way, or if it’s just me. Spontaneous friendships already seem like the best thing in the world.
Florence, or Firenze, as they call it, has treated me especially well. In spite of the rain we’ve had in the last days, and not being able to sketch in peace because of it, I loved the city of Romanticism.

 

Rome – visas and the pope

My story in Rome starts with a trip to the Portuguese embassy to take care of my visas.
By chance or by bad luck it was being dismantled.
Because of my being there, or just by chance, an Italian man shows up. I ask “Would you know where the new Portuguese embassy is?” to which he replies “I don’t know, but you should take that street and head left”.
I started fearing my day would go badly, but even so I put on my Indian positive spirit.
I got into the first embassy and asked for directions to the Portuguese embassy. Kindly enough, they searched on their computers to let me know how I could get there.
“You have to catch a tram, the underground, and a train and then a bus and you’ll be right at the door!”
They made it sound easy. I had all I needed to get to know the Roman public transport system, thanks to the embassy.
12:32 and I still needed to catch the train and the bus. I’d already spent 2 hours in the transports. As the embassy should only close by 18:00 I still had time to do what I wanted.
While I waited I asked myself “But what do I want?”
This is another of my qualities. “Let it be, when the time comes I’ll take care of things. I’m not going to bother before that. There’s plenty of time left.”
But time went by and now I was on my way to explain that I’m backpacking, I left my job, my trip isn’t booked yet, and I don’t have a place to sleep just yet, but what I really want is to get to Russia.
Everyone says “you won’t make it”, and again that makes think this day will be a waste of time.
“Here we can only issue visas to citizens who require support to obtain Portuguese identification documents.” says an Italian lady, working at the Portuguese embassy.
I’d already been greeted by a Brazilian security guard. I thought I’d find Portuguese people at the embassy…so much for no surprises. At least I got the addresses to the embassies where I’d need to go to get my visa.
In the evening I searched again on how to get the Russian visa.
I found a lot of information, but what got me taken aback was this “Visas will take at least 90 days to be issued.”
I couldn’t understand if I’d have to wait for 3 months or if the request would need to be made within the next three months.
Another doubt had to do with the time it would take to be issued. Seven days, three weeks?
Yet another question had to with the time I’d have to wait to get a confirmation from the hostel.
With so many questions popping up, I decided to head to the Russian embassy the next day, to get things clarified.
I started the next day sitting on the first tram. As usual it was bursting at the seams. Suddenly, an Italian man starts screaming into his mobile phone “pedofilo e milionario… no ni son parente, neim padice…”, or whatever he was saying. Even those like me, who couldn’t understand the language, found his attitude strange.
Every now and then Italians will lose their temper and start arguing. That particular argument seemed like quite a nasty one. The screaming disturbed my reading.
Yes, I had brought along my book to keep entertained while waiting in the transport.
Somewhere in my book I find “speech is silver, silence is gold”. It made so much sense at that moment that I felt like saying it out loud.
On my way to the underground I formalized a question I’d had on my mind for long: why is it that Africans never whistle to call people? Can’t they whistle or is it cultural? Not everyone can whistle, but the fact is that no African ever whistles. Instead they make a sort of loud blow, as if they’d be blowing kisses. That made me curious. That and realizing that I’m attracted to Nordic chins, especially when their owners look at me and ask me who I am.
I melt with the sight of a chin that reminds me of the Scandinavian coyness.
I can guarantee that whoever goes to those countries will never be the same person again.
But let’s get back to the visa story.
Trying to get a Russian visa in a foreign country is like having to face your elementary school teacher when you haven’t done your homework.
I know I’ll be lectured, but even so I don’t want to miss the class.
This is how I feel less than 400 metres away from their embassy.

“- So, could you summarize what happened? – After a surprisingly brutal first part, of the footballing kind, on the second half of the match things got complicated and what seemed easy was hard, and we ended up losing.”

This is what mister Jorge Jesus could have said if he’d been asked to explain my odyssey to get a Russian visa.
It’s always good to stick in a few football related remarks in travel texts.
Well then…
I found an Italian man whose wife worked at the Russian embassy. How convenient! Like most Russian women I’d met before, she was dressed like a Christmas tree, and smelled like lavender. She spoke fluent English and explained the principle of delusion.
However, she did not explain the principle of giving up. If there’s one thing I can do, that thing is stubbornness!
For a change, I was in the right place to take care or the visa. I went on to the visa department, which wasn’t far from where I was. Almost everything seemed to be going well, until they asked me for a residency comprovative.
That was a low blow. From then on I did not find any solutions. I was standing before a straight and impossible to climb wall.
I went to the police to request a document that would attest my “passing through the country”. But the lack of hospitality and understanding was a total wreck.
They said it made no sense to issue such a document, and that instead I should present a bill from the place where I’d been sleeping. At the Russian department they said that a document from a caravan sight wouldn’t be any good, and that this should go to show me the trouble Russian tourists have to go through when they want to get to Europe.
From then on, the cute but badly decorated Christmas tree seemed like she was already taking it out on me.
In the middle of all that, a guy calls my attention. He was holding two dozens of Italian passports, all stamped with Russian visas. I started a conversation with him.
“How do I get my passport to be stamped like that?”
He had experience with the schemes, and had been working for a travel agency for years. He said I’d not get a visa in Italy, and suggested: “Send your passport to Portugal, and ask someone to take care of it for you!”
That seemed like the best alternative, seeing as then my attempt to get a visa at the Chinese embassy was also a failure.
That damn residency document makes for more trouble than swimming against the stream across the Atlantic Ocean!
After two days of this, I finally get Rome on my sketches.
This is paradise for all history and art lovers.
My Art History teachers will have to forgive me, but the truth is that I never got along very well with history.
I can’t even remember my present, let alone history.
We spent 7 or 8 years in a row talking about the middle ages, the domes, the chapiters, the vaults, the arches, the Renaissance, Caravaggio, Julius Caesar, naked nymphs, fruit of the season, wine, sex in thermal springs … wait, I think we didn’t really talk about fruit that much…
Unfortunately in the last decade, all that knowledge got defragmented. What saved the situation were the many tour guides with their formatted speech, repeating what my teachers would have liked me to know nowadays.

The Roman adventure ended with Pope Franc.
After three hours of penance under the rain, waiting for his holiness, with my frozen feet soaked in water, nobody could have moved me from there.
The Pietro square got fuller and fuller, as the evening came. Something led to believe that the white smoke was about to come. That’s what people could be heard saying all over the sight, where everyone had their eyes on the picture of a chimney, plastered across giant screens.
At 19:00 we finally saw the white smoke. The bells rang and all yelled euphorically.
Everyone pushed around to get as close as possible to the façade.
In spite of the rain, all umbrellas got instantly closed, to allow to read a new page of history being written right there.
The curtains opened, and people let out screams. Then there was silence. The new pope made himself heard.
There was a contagious look of happiness in every face. It might have been because we knew we could all go home and take out our soaked socks, or perhaps because we now knew the church had an Argentine leader.

 

(Un) interesting observations:
Wearing a long beard makes me part of a brotherhood.

There is a kind of healthy competition among people who wear beards.
Those who wear a bead always notice others’ beards. We cannot help it. Yet we pretend that we’re not looking, even if we know we’ve been spotted. As we grow older, we get more ashamed.
If we want to see, we have look. Whether it’s to a beautiful woman walking by, or to the face of the next bearded lad.

“What’s difficult for a mother after having children?”
Bang, there you go! One sometimes thinks one’s been through rough situations and all, but hearing this made me think.

 

Before going outside, gaze at an Indian

Indians are considered the best weather forecasters in Italy. At least by me, as I take time to observe this rather (un)interesting things.
Come rain, they sell umbrellas, come shine they sell sun glasses. It’s a sure thing!
They can be spotted outside, bright and early, ready to save us from getting soaked on our way to the bus, or ready to sell us some glasses, when they know it will be bright and sunny.
And there’s one more thing: I think Indians are among the most positive people I know. Although I’ve not been to India, meeting many Indian migrants has already allowed me to understand something about the Indian ways. It’s easy to notice how nice the Indian selling umbrellas can be, even if he might be completely soaked and tired of negotiating prices all day.
I’ve never seen them getting grumpy or giving up on their business.
What’s become of optimism? You might ask.
Optimism can be found in days when the weather forecasts come out wrong, yet they still smile as they go around selling umbrellas under sunny skies.
You can’t help but to think that Indian must be a fierce optimist. Either that or he’s just at the end of his career.

I have the flu and it’s rainy, so I blow my nose about 300 times a day.
Question: How do people with pierced noses blow their noses?

 

Useful words and expressions:

They frequently use the word “bu”, when there’s something they don’t know.
When they gather their fingers and make a pear-shaped gesture, shaking their hand up and down, what they mean is “don’t mess with me!”
Fare una giratina means “to go for a little walk”.
Mi dispiace means “I’m sorry”.

Route:

February 27th – Genoa
March 1st – Pisa
March 2nd – Luca
March 3rd – Florence
March 7th – San Gimignano
March 8th – Monteriggione, Siena
March 9th – Montalcino, Rome

 

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Italia Sketchbook

Meetings

Meetings

Meetings

Meetings

Meetings

 

 

Itinerário:
27 Fev – Génova
01 Mar – Pisa
02 Mar – Lucca
03 Mar – Florença
07 Mar – San Gimignano
08 Mar – Monteriggioni, Sienna
09 Mar – Montalcino, Roma

Genova – Primeiros choques
Genova tem tantas aceleras como a Holanda tem bicicletas. A diferença está no civismo e organização inexistente no, tão falado, trânsito caótico italiano. Os carros serpenteiam as estradas, quer haja ou não, limites ou regras. Aparecem de onde menos se espera e os travões devem ter graves problemas, porque na verdade só se pára no último instante. É o salve-se quem puder, sempre no limite de se ter um acidente. É uma poluída aventura em hora de ponta, tentar sair ileso.

Genova é uma cidade que desce pela colina, cheia de curvas e contra curvas, algo suja e com recantos muito pitorescos. Quando aqui cheguei, o sol pintava as paredes de amarelo quente e fazia realçar as sombras. As mulheres exibiam os lábios com cores garridas, normalmente, vermelho fatal e unhas a condizer. Fez-me lembrar o norte de Portugal. Será este o principio do charme italiano que me vai fazer apaixonar? Ao certo ainda não sei, mas é bastante fácil ser atraído pela sedução elegante destas «ragazzas».

Preconceitos à parte, os episódios que já assisti de turistas italianos que só comunicam na sua própria língua, falavam por si. Vinha de França com a ideia, que em Itália, também ia ter dificuldades em comunicar em inglês. Fui surpreendido. É verdade que nem todos o falam e muitos dão sempre aquele jeito italiano à pronuncia: «u go ine fronte, den u turne to de rite…» é um mimo. Além disso, quem fala português, chega facilmente ao meio termo do entendimento. Isto levou-me a concluir que França e Espanha, dentro dos países mais visitados da Europa, são os que menos dominam o inglês, onde a França está francamente no topo.

Pisa – O turista
Em Pisa tudo gira à volta da Piazza del Miracoli, considerada como uma das mais românticas. Se o romantismo for definido pela quantidade de fotos que ali se tiram, está certamente no topo da lista. Entre os pombos e turistas, que aparecem sempre a meio de uma foto.
É um mistério de sensações, estar perante a torre mais torta do mundo, iluminada por um magnifico pôr-de-sol e poder desenha-la ao vivo.
Comigo, aconteceu, desde o momento que a vi até ao momento que terminei o desenho, apaixonar-me por Pisa. Mas o mais comum, é tirar fotos, com diferentes perspectivas e escalas. Por mais que saiba que por estar de passagem serei sempre mais um turista, a minha maneira de ver e escolher os locais onde passo não se altera. Não, porque não tiro as fotos tradicionais ou não passo nos sítios emblemáticos, mas porque a pressa é outra. Esta forma de vida que, meio abrasileirada, chamam de mochileiro, leva tempo até o próprio se aperceber que já o é, sem que tivesse dado por isso.
Qual é então a diferença entre um mochileiro e um turista?
Eu diria que está na forma expontânea e descontraída com que se viaja.
Ter tudo organizado, horas para comer, saber onde dormir, seguir os mesmos caminhos definidos por roteiros e ter sempre dinheiro, são as primeiras mudanças no dia à dia de quem anda com a mochila às costas. Entrar na vida dos locais, conhecer a cultura e aprender as suas expressões é a segunda alteração, que afasta do turismo. E por último andar perdido. Segundo a minha experiência, é aqui que se desfruta a melhor parte do tempo, que serve agora, para fazer o que quisermos. Se pensarmos que nenhuma destas formas de viajar, se encaixa no comum turista, muito já estaria explicado. Mas continuando, entre os mochileiros, há quem prefira museus, outros a vida nocturna e a diversão, caminhadas e aventura, escrever e fotografar e depois estou eu, que escolhi desenhar a minha viagem. Cada mochileiro escolhe o tipo de vida que gosta e aí é que está o gozo em encontrar outro viajante e saber o que faz.
Ao fim de um ano, por mais que gostasse de perder o mesmo tempo a partilhar a minha história de viagem com outros mochileiros, torna-se impossível. O interesse salta à vista, em cada palavra que acrescento na narrativa. Isto fez-me refletir que tipo de mochileiro sou eu afinal?

Nesta busca, não queria uma definição que rotulasse a minha vida ou posição perante ela, mas sim algo que explicasse de forma eficaz o que me faz estar a viver assim. Resolvi pensar nas conversas que tive com os amigos que me cruzei durante a viagem, para encontrar pontos em comum e fazer uma lista:

- Todos sentem medo de alguma coisa e no princípio da viagem sentem-se sozinhos.
- Todos querem ter a sensação de liberdade para descobrir outras culturas e ter outras experiências.
- Todos se apaixonaram em viagem, mas são raros os casos em que resultou.
- Todos querem continuar a viajar depois uma de volta ao mundo e recuperarem energia.
- Ainda não conheci ninguém que tivesse desistido a meio da sua viagem.
- Todos tiveram problemas de saúde, mas ninguém sofreu perigo de vida, mesmo que assim pareça quando contam o sucedido.
- Todos gostam de contar histórias, partilhar experiências e locais onde passaram.
- Todos acham que foi a melhor decisão que fizeram na vida.
- Ninguém fala de momentos maus, dizem antes que foram aprendizagens e, em alguns casos, um pouco de desleixo.
- Todos já estiveram ou passaram pelos sítios que passei ou ainda vou passar.
- Todos tinham pouco dinheiro e por isso tiveram que mudar os planos ou fazer alguns sacrifícios.
- Todos rectificaram o excesso de bagagem ao fim de algumas semanas em viagem.
- Todos fartam-se rapidamente da monotonia e rotinas.

Cheguei à conclusão que os mochileiros sofrem todos do mesmo e que se me definisse como um, simplificava a minha história. Porém, o desenho era a única coisa que não ligava com nada. Então para abreviar a coisa, passei a dizer que sou um mochileiro que gosta de fazer uns desenhos turísticos. Desta forma reforço o todos suspeitavam «Eu vi logo que não eras de cá, com essa mochila só podias ser turista. Só é marado é perderes tempo sentado numa esquina a riscar cadernos, já experimentaste a máquina fotográfica?»

Florença – Primeiro contacto Italiano
«Italia, em especial Firenze, vai ser mais uma dor no peito».
Tive hoje este pensamento assim que me despedi de uma das cidades mais fascinantes da Europa.
Mas vamos ao início para fazer sentido. A minha expectativa era alta antes de cá chegar. Todos me diziam que era uma das cidades a «não perder» em Itália. Em poucos minutos, confirmei.
No primeiro dia conheci a Lucia. A primeira Urban Sketcher italiana. Encontrámos-nos na Ponte della Vittoria e daí seguimos junto ao rio, até à Ponte Vecchio (Ponte velha). Andamos por todos os cantos da cidade, desenhamos e acabamos numa típica pizzaria onde só existem três opções de pizza. Dizem os italianos, que a Margarita é a melhor pizza para se perceber se é boa ou não, porque o segredo está na massa e esta é a mais simples. Em Portugal, ensinam-nos a comer pizza com uma mixórdia de ingredientes e diferentes tipos de massa, que só ter três opções foi um alívio para mim. Amarfanhei uma inteira e mais houvesse. Talvez tivesse fome ou talvez fosse mesmo boa. Certo é, que por muita pizza que se coma pelo mundo, a magia começa pela satisfação de escutar italiano. A mão dobra uma fatia ao meio e, com jeitinho, prega-se uma dentada antes que ela caia no prato. A seguir, claro, o clássico pedaço de pizza colado numa bochecha. Acontece a todos. Mas nada de vergonhas, afinal estamos em Itália! Estava aberta a competição da melhor pizza Italiana, com esta a entrar directamente para o top.

O Giorgio é o segundo urban sketcher italiano que conheci em Florença. Ao segundo dia, convidou-me para jantar na casa onde vive, para conhecer de perto a intimidade Toscana. Um grupo de 7 raparigas e 3 rapazes italianos, trataram-me como se fosse um de «la famiglia». Aí chegamos, eu e o Giorgio para nos juntarmos à festa e jantar. Não tinha muita fome, porque antes, já nos tínhamos aconchegado com uma cerveja e «aperitivos» num bar junto à Piazza de Santo Spírito.
Assim que vi, pela primeira vez, esta praça, senti um desejo enorme de a desenhar. Fiquei completamente atraído pela calma, pessoas e luz, a que os guias turísticos devem chamar de local alternativo, eu diria independente. «Aqui neste largo, durante as manhãs, existe um mercado, é muito fixe para se desenhar», informa-me Giorgio. Mas voltando à melhor invenção de sempre, os aperitivos! Especialmente para quem viaja com pouco dinheiro, como eu. Pede-se um bebida e paga-se um valor de quatro a cinco euros. «Chiça, penico!» pensa-se. Mas calma que existe todo um bufet à nossa espera. Pão, azeitonas, carne, massa, sopa… ou seja um tipo sai dali jantado.
Ou pelo menos bem aviado. Foi o caso.
«Não comas muito, porque vamos jantar a minha casa!» avisa-me o Giorgio. Uma tábua de queijos, mais de meia dúzia de garrafas de vinho, pão sem sal (típico desta região), massa, bolo e para terminar a noite, uma pizza no bucho já passava da uma da manhã. Pergunto-me se irá ser sempre assim, ou se já sou eu que contemplo as amizades expontâneas como a melhor coisa do mundo. Florença, ou Firenze, porque aqui se diz, tratou-me de forma especial. Apesar da chuva que nos últimos dias não me deixava desenhar tranquilo, amei a cidade do romantismo.

Roma – Vistos e o Pápa
A minha história em Roma começa com a ida à embaixada Portuguesa para tratar de vistos. Azar ou sorte, estava a ser desmantelada. Pergunto a um italiano, que pela minha presença ali ou por mero acaso, apareceu à porta: «onde fica a nova embaixada portuguesa, sabe?», ao que me responde: «não sei, mas procura nesta rua para a esquerda.»
Aqui apareceu o receio que hoje o dia não ia correr as mil maravilhas, mas ainda assim, toca de vestir o espirito positivo indiano.
Entro na primeira embaixada e pergunto onde mora a nova embaixada de Portugal. Amavelmente, procuram no computador uma forma de lá chegar. «Tens que apanhar o eléctrico, o metro, o comboio e por último um autocarro. Sais mesmo à porta». Dito assim até parece fácil. Tinha tudo para conhecer os transportes públicos de Roma, obrigado embaixada.
Meio-dia e trinta e dois e ainda me falta o comboio e o autocarro. Já levo 2 horas em transportes. Se pensar que a embaixada só fecha às 18h, ainda dá tempo para o que quero.
«Mas e o que é que quero?» pergunto-me enquanto espero.
Esta é mais uma das minhas qualidades: «deixa andar, quando chegar a altura, algo vou resolver. Até lá não me chateio, até porque ainda falta tanto tempo.» Mas o tempo passou e agora vou a caminho de explicar que ando de mochila às costas, deixei o emprego, não tenho ainda viagem marcada, nem local onde dormir, mas quero entrar na Rússia. A isto todos me dizem que «não vais conseguir» e faz-me pensar, mais uma vez, que hoje vai ser uma perda de tempo.
«Aqui só tratamos de vistos de cidadãos que precisem do nosso apoio para obter documentos de identificação portuguesa, não o inverso.» assim me diz uma italiana que trabalha na embaixada portuguesa. Anteriormente já tinha sido atendido por uma segurança brasileira. Pensava eu que ia apanhar por aqui portugueses… digamos que até aqui nada de surpresas, mas pelo menos fiquei com as moradas das embaixadas que preciso de visto.
À noite, voltei a pesquisar mais uma vez sobre o visto Russo.
Entre varias informações esta foi a que me fez recuar «os vistos só serão emitidos no prazo mínimo de 90 dias.» Fiquei na dúvida se tenho que esperar 3 meses ou se o pedido tem que ser feito nos próximos 3 meses.
Outra dúvida agora era o tempo de emissão. Sete dias, três semanas?
Mais outra dúvida era o tempo de espera da confirmação do Hostel?
Perante tanta pergunta, decidi ir amanha à embaixada russa e aí perceber o que me dizem.

O dia seguinte, começa comigo sentado no primeiro eléctrico. Para não variar, apinhado de gente. De repente, um italiano desata aos gritos para o telemovel: «..pedofilo e milionario…no ni son parente, niem padice…». Seja lá o que estivesse a dizer, até os que não percebiam a língua, como eu, estranhavam a atitude. É verdade que volta e meia, salta a tampa aos italianos e começam a falar como se tivessem a discutir. Esta era particularmente agressiva. Aquela gritaria perturbava a minha leitura. Sim, hoje decidi trazer o livro que ando a ler, para me ocupar nos transportes. Algures na minha leitura aparece: “speech is silver, silence is gold” (o discurso é prata, o silêncio é ouro). Faz tanto sentido neste momento, que apetece-me dize-lo em voz alta.
A caminho do metro, formalizo uma pergunta que há muito me pairava na cabeça: porque é que os africanos não assobiam para chamar as pessoas? Serão incapazes ou será cultural? Nem todas as pessoas sabem assobiar, mas neste caso nenhum o faz. Na vez disso, fazem esta coisa de sopro ruidoso como se tivessem a enviar beijinhos. Deixa qualquer um curioso. Isso e perceber que sou atraído por queixos nórdicos, em especial quando olham para mim a perguntar quem sou. Derreto-me ao ver um queixo que me faça lembrar a timidez escandinava. Garanto-vos que quem passa por esses países nunca mais volta a ser o mesmo.
Mas vamos lá aos vistos.
Um tipo que queira obter um visto para a Rússia num país estrangeiro, é como um miúdo que vai enfrentar a professora primaria, sem ter feito os trabalhos de casa. Sei que vou ouvir um sermão, mas ainda assim vou à aula para nao ter falta. É mais ou menos isto que sinto a menos de 400 metros da embaixada.

- Então, pode-nos fazer um resumo do que se sucedeu?
- Após uma primeira parte surpreendentemente brutal do foro futebolístico, na segunda metade do encontro tornaramos complicado o que parecia ser fácil e acabaramos por perder.

Assim diria o mister Jorge Jesus se tivesse que explicar o desempenho da minha odisseia pelo visto Russo.
Fica sempre bem meter umas buchas de futebol em crónicas de viagem.
Ou seja, encontrei um italiano cuja mulher trabalha na embaixada Russa. Nem de propósito! Ela, como a maior parte das russas que já conheci, vestia-se como uma arvore de natal enfeitada e tinha um cheiro a fragrância de lavanda. Mas principalmente, falava fluentemente inglês e explicou-me o principio da desilusão. Mas nao da desistência. Lá teimoso sou eu.
Como, para variar, nao estava no sítio certo para tratar dos vistos, lá segui caminho para o departamento dos vistos que até ficava ali perto. Quase tudo parecia correr bem, até me pedirem um documento comprovativo de residência. Aqui foi a rasteira. A partir daqui nao encontrei soluções. Era uma parede lisa impossível de escalar.
Recorri à policia para me passarem um papel de «passagem pelo país». Mas a inospitalidade e a falta de entendimento foi um desalinho tal, que nada feito. Dizem que nao faz sentido passar uma papel desses e que devia levar antes o papel de onde estou a dormir. No departamento Russo, dizem que não serve de nada um documento a dizer que estou num campismo de autocaravanas e rematam que todas estas dificuldades são para nos fazer ver o que os turistas russos sofrem quando tentam entrar na Europa. Cheira-me que, a partir dali, esta arvore de natal, gira, mas mal decorada, já estava a desabafar comigo.
No meio, chama-me atenção um tipo com duas dezenas de passaportes italianos despachados com o visto Russo. Meti conversa: «como é faço para ter o meu passaporte como esses?» Batido nos esquemas e há anos a trabalhar numa agencia de viagens, diz-me que em Itália não vou conseguir visto. Sugere-me então: «envia o teu passaporte para Portugal e alguém que trate disso por ti.»
Pareceu-me a melhor alternativa, até porque a minha tentativa na embaixada chinesa, também foi um fracasso.
O sacana do documento de residência é pior que atravessar o oceano Atlântico a nado e contra a corrente…

Depois de dois dias nisto, aparece finalmente Roma em desenhos.
É o paraíso para os amantes de história de arte. Mas aqui, as minhas professoras de História de Arte que me perdoem. Eu e a história nunca nos demos muito bem. Nem do presente me lembro quando mais da história. É verdade que foram 7 ou 8 anos seguidos a falar da Idade Média, cúpulas, capiteis, abobadas, arcos, Renascimento, Caravaggio, Júlio César, ninfas desnudadas, fruta da época, vinho, sexo nas termas … espera, acho que não falamos assim tanto de fruta da época. Infelizmente, na última década, todo esse conhecimento, desfragmentou-se. A salvar a situação, estão as carradas de guias, em vários idiomas, de discurso formatado, a repetir, o que os meus professores queriam que eu hoje soubesse.

A aventura em Roma terminou com o Papa Chico.
Foram três horas de penitência debaixo de chuva, à espera da sua Santidade. Mesmo de pés regelados e ensopados em água, ninguém arredava dali. A praça Pietro, à medida que chegava a noite, mais se enchia de gente. Algo nos dizia que hoje, era dia de fumo branco. Era o que se ouvia em todo o recinto, de olhos postos na chaminé transmitida nos ecrãs gigantes. Às 19h sai o dito fumo branco. Tocam os sinos e da-se uma gritaria eufórica. Empurrões e encontrões para chegar o mais próximo da fachada da basílica. Em pouco tempo e ainda a chover, todos os chapeus-de-chuva são fechados, para se observar com rigor, a nova página de história que estava, ali mesmo, a começar. As cortinas abrem-se e as pessoas emocionadas, soltam berros descontrolados. Silencio. Escuta-se o novo papa. Talvez por, finalmente, irmos para casa tirar as meias ensopadas em agua, ou por sabermos que a Igreja passou a ter um líder Argentino, havia uma felicidade contagiante, visível em cada rosto.

Observações (des)interessantes

Andar de  barba comprida faz-me pertencer a uma irmandade.
Existe uma espécie de competição saudável entre a malta da barba. Quem tem barba, repara sempre como é a do outro. É inevitável. Mas finge-se que não se olha, apesar de já se ter sido topado.
As pessoas crescem e ficam envergonhadas. Se queremos ver, temos que olhar. Quer seja um bela mulher, ou como é o próximo barbudo.

«O que é que é difícil para uma mãe depois de ter filhos?»
Pimba, vai buscar! Uma pessoa às vezes acha que tem passado por situações difíceis, mas esta frase deu-me que pensar.

Antes de sair de casa, olha para um indiano.
Os indianos são considerados os melhores a fazerem previsão meteorológica em Itália. Considerados por mim, que observo estas coisas bastante (des)interessantes.
Se chove, vendem chapéus-de-chuva. Se faz sol, vendem óculos-de-sol. É certinho. Desde manhã cedo, é vê-los nas esquinas, prontos para nos salvar do problema de apanharmos uma molha até ao autocarro. Ou então adquirir uns óculos, pois afinal vai estar um dia de sol.
Outra coisa: sou da opinião que os indianos são um dos povos mais positivos que conheço. Mesmo sem ainda ter entrado na India, a vasta emigração indiana, já me permitiu perceber um bocado esta gente. É fácil reparar na simpatia de um indiano, a vender chapéus-de-chuva, mesmo estando completamente encharcado e farto de regatear preços o dia todo.
Nunca os vi carrancudos ou a desistirem da labuta.
Mas onde é que está o optimismo? perguntam-me vocês.
Está nos dias em que a previsão saiu trocada mas ainda assim andam a vender chapéus num dia de sol.
Está-se mesmo a ver que aquele indiano ou é um valente optimista ou está na fase terminal de carreira.

Ando constipado e está de chuva, logo assou-me umas 300 vezes por dia.
Surgiu a questão: a malta dos piercings a meio do nariz, como é que se assoam?

Expressões e palavras úteis
É frequente utilizarem a palavra «bu» quando não sabem alguma coisa.
Juntar os dedos como se fosse uma pêra e abanar a mão para cima e para baixo é sinal de «não te metas comigo».
Fare una giratina – dar uma voltinha
Mi dispiace – peço desculpa

Luis

If you want to keep in touch follow the Facebbok Fan Page or see more photos on Flickr.

Comments (4)

  • Clara Amorim

    |

    Ena, ena!!!
    Que consolo, Luís…!
    Ele é textos maravilhosos, ele é sketches do outro mundo, ele é fotos catitas…! :)
    De alma cheia!!!
    Many thanks!
    Clara

    Reply

  • Nelson Paciencia

    |

    Luís, tenho acompanhado a tua viagem, os desenhos e os textos magníficos, e acho que este post é o mais fantástico de todos. A descrição é viciante e os desenhos de matar de inveja. Um abraco e obrigado pela partilha.
    Nelson

    Reply

  • beatriz costa

    |

    Estou adorar…quem me dera fazer essa aventura que estas a fazer.
    Sou casada e tenho 2 filhos não posso, mas é um prazer ver-te de dia para dia mais, um sitio lindo fotos e desenhos feitos, com o prazer da descontração do encontro de linhas de representação dos pontos mais atraentes
    Acompanhar com a música e bolinhos da terra não estava mal e podes enriquecer,
    Com flores com fita-cola
    Estou adorar ideias pra ti bjs
    Usa também os dourados que tantas igrejas e basílicas italianas estão recheadas

    Reply

  • Vanessa

    |

    Vivi um ano em Italia, perto de Genova e fiz uma parte do itinerário de que falas neste post – descreveste o cenário de forma fantasticamente real! Apanhas-te o significado della vita italiana num ápice, óptimo observador. E não há mesmo máquina que documente certos detalhes, só o conto :) os teus sketches são fantásticos, adoro as cores e caracterização!
    Continua com o bom trabalho sempre de sorriso “in faccia” Parabéns!

    Reply

Leave a comment